banner

blog

Aug 25, 2023

Ninguém estudou realisticamente a absorção de produtos menstruais até agora

Um novo estudo revela que a absorção de absorventes, absorventes internos e outros produtos menstruais é significativamente diferente do que os rótulos sugerem

A maioria das lojas de conveniência ou farmácias possui um corredor dedicado à “higiene feminina” repleto de prateleiras de diversos produtos menstruais, como absorventes internos, absorventes, copos e discos. Na lateral de cada embalagem, você encontrará uma pequena etiqueta de “absorção” proclamando a quantidade de sangue líquido que o produto foi projetado para reter.

Mas esse número pode ser enganoso, de acordo com um artigo recente publicado em 7 de agosto no BMJ Sexual & Reproductive Health. Uma equipe de pesquisadores da Oregon Health & Science University descobriu que muitos produtos menstruais tinham uma capacidade líquida muito menor ou maior do que a anunciada quando sangue real era usado em vez de solução salina – uma mistura de água, sal e bicarbonato que é mais comumente empregada em o processo de desenvolvimento do produto. Este é o primeiro estudo conhecido a testar a absorção de produtos menstruais com sangue, dizem os pesquisadores. Os resultados sugerem que os médicos podem estar subdiagnosticando sangramento menstrual intenso, o que pode ser um sinal de certas condições médicas.

A coautora do estudo, Bethany Samuelson Bannow, médica e professora assistente de hematologia, começou a investigar a capacidade dos produtos menstruais depois de notar um aumento no número de suas pacientes que optaram por discos e copos menstruais reutilizáveis ​​- produtos inseríveis em formato de tigelas rasas e copos mais estreitos, respectivamente, que ficam abaixo do colo do útero e coletam sangue – no lugar de absorventes e tampões descartáveis. Estas pacientes mudaram parcialmente para reduzir o desperdício, mas Samuelson Bannow suspeita que também o fizeram para lidar melhor com o fluxo menstrual intenso. “Percebemos que não havia realmente uma métrica para diagnosticar sangramento menstrual intenso em pessoas que usam esses produtos”, diz ela.

As estimativas das capacidades de muitos produtos foram baseadas em pesquisas de décadas sobre absorventes internos. Na década de 1980, uma força-tarefa sobre absorventes internos foi convocada para ajudar a desenvolver produtos menstruais mais seguros depois que se descobriu que uma determinada marca de absorventes internos aumentava ligeiramente o risco de síndrome do choque tóxico, uma condição médica grave que ocorre quando certas cepas de bactérias de fora do sistema circulatório entram na corrente sanguínea e liberam toxinas que podem causar danos graves aos órgãos ou morte. Esta pesquisa estabeleceu o padrão para a absorção moderna de absorventes internos. Além disso, muitos desses estudos iniciais usaram solução salina em vez de sangue menstrual. As soluções salinas ainda são predominantemente empregadas para testar produtos menstruais hoje.

O sangue e a solução salina têm viscosidades muito diferentes, o que significa que são absorvidos em taxas diferentes. “O ditado 'o sangue é mais espesso que a água' é tecnicamente verdadeiro”, diz Samuelson Bannow. “Realmente sentimos que [a métrica de absorção] precisava ser atualizada.”

A solução salina é uma mistura homogênea apenas ligeiramente mais viscosa que a água destilada. O sangue, entretanto, não é homogêneo. Está cheio de células e plaquetas, bem como de proteínas e outras moléculas que se movimentam e variam em concentração dependendo de uma infinidade de fatores, como o nível de hidratação de uma pessoa. O sangue menstrual é ainda mais variável do que o sangue circulante porque também contém secreções vaginais e tecido que foi eliminado da parede uterina. Sua viscosidade pode mudar de pessoa para pessoa e até de hora em hora.

Essas características tornam difícil para os fabricantes estimar com precisão a quantidade de sangue que um determinado produto de período absorverá com base em testes que utilizam principalmente solução salina. No novo estudo, Samuelson Bannow e sua equipe testaram 21 produtos menstruais diferentes, incluindo discos, tampões, absorventes, roupas íntimas menstruais e copos. Eles descobriram que as roupas íntimas menstruais eram as menos absorventes do mercado, absorvendo de um a três mililitros de sangue, dependendo do tamanho. Os absorventes “leves” foram um pouco mais absorventes, mantendo 3 a 4 ml. Os tampões continham entre 20 e 34 ml, dependendo da marca e do índice de fluxo, e os absorventes “pesados”, que anunciavam capacidade de 10 a 20 ml, podiam conter até 52 ml. Os discos menstruais continham mais sangue – 61 ml em média – com uma marca contendo até 80 ml.

COMPARTILHAR